Suzano sofre prejuízo de R$ 1,8 bilhão

As perdas no volume de produção e nas vendas de celulose de mercado e de papel ocorreram em função da greve dos caminhoneiros

Por
Fabiana Holtz, do Estadão Conteúdo

access_time

9 ago 2018, 09h49 – Publicado em 9 ago 2018, 09h48

São Paulo – A Suzano Papel e Celulose registrou prejuízo líquido de R$ 1,8 bilhão no segundo trimestre de 2018, ante lucro de R$ 199 milhões apontado um ano antes. A performance também representa uma reversão em relação ao ganho de R$ 813 milhões informado no primeiro trimestre de 2018. Segundo a companhia, perdas no volume de produção e nas vendas de celulose de mercado e de papel, em função da greve dos caminhoneiros, impactaram negativamente a geração de caixa operacional e o Retorno sobre o Capital Investido (ROIC) no período.

O ROIC consolidado, principal métrica de desempenho da empresa, passou de 17,4% em março para 18,4% em junho. Em junho de 2017, o ROIC estava em 11,3%. A geração de caixa operacional, por sua vez, cresceu 40,5% no comparativo anual, para R$ 1,279 bilhão. O resultado também é 1,1% superior à geração de R$ 1,265 bilhão informada no primeiro trimestre.

De abril a junho, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, termômetro do mercado para mensurar a capacidade operacional das empresas, atingiu R$ 1,537 bilhão. O desempenho representa um avanço de 36% ante igual intervalo de 2017 e de 2,9% ante o primeiro trimestre. A margem Ebitda ajustada passou de 51,0% em março para 49,1% em junho. Em junho de 2017, a margem estava em 45,7%.

A receita líquida totalizou R$ 3,204 bilhões no segundo trimestre de 2018, alta de 26,6% em relação ao mesmo período de 2017 e acréscimo de 6,8% em relação ao primeiro trimestre de 2018.

O prejuízo líquido da Suzano Papel e Celulose no segundo trimestre de 2018, de R$ 1,8 bilhão veio 478% acima da média das projeções de quatro das cinco casas consultadas pelo Prévias Broadcast (BTG Pactual, Itaú BBA, Santander e XP Investimentos), que apontava para um prejuízo de R$ 311 milhões.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, de R$ 1,573 bilhão, ficou em linha com a média das projeções, de R$ 1,647 bilhão.

A receita líquida do período, de R$ 3,204 bilhões, também ficou dentro da média das projeções, que era de R$ 3,134 bilhões. O Prévias Broadcast considera que o resultado está em linha com as projeções quando a variação para cima ou para baixo é de até 5%.

(function(d){var id=”facebook-jssdk”;if(!d.getElementById(id)){var js=d.createElement(“script”),ref=d.getElementsByTagName(“script”)[0];js.id=id,js.async=true,js.src=”https://connect.facebook.net/pt_BR/all.js”,ref.parentNode.insertBefore(js,ref)}})(document)

Fonte: Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *