Renault não encontra irregularidades em remuneração de dirigentes

O grupo abriu uma comissão de investigação interna aberta após a detenção no Japão de seu presidente, Carlos Ghosn

Por
EFE

access_time

11 jan 2019, 10h41 – Publicado em 11 jan 2019, 10h34

Paris – O grupo automobilístico francês Renault não encontrou irregularidades na remuneração de seus dirigentes em 2017 e 2018, segundo os resultados preliminares da comissão de investigação interna aberta após a detenção no Japão de seu presidente, Carlos Ghosn.

A comissão enviou ontem contas ao Conselho de Administração reunido de forma extraordinária e concluiu a “conformidade e ausência de fraude” na remuneração dos dirigentes da empresa, indicou a Renault em comunicado.

A partir de agora, os especialistas designados pela Renault começarão a estudar os exercícios anteriores, acrescentou.

A investigação interna está sendo feita por dois membros do comitê de ética da empresa, Claude Baland e Eric Le Grand.

A Renault abriu esta investigação depois que Ghosn, que mantém seu posto de presidente da marca francesa, foi detido no Japão por suposta fraude fiscal.

http://platform.twitter.com/widgets.js(function(d){var id=”facebook-jssdk”;if(!d.getElementById(id)){var js=d.createElement(“script”),ref=d.getElementsByTagName(“script”)[0];js.id=id,js.async=true,js.src=”https://connect.facebook.net/pt_BR/all.js”,ref.parentNode.insertBefore(js,ref)}})(document)

Fonte: Exame

Download Estrategia Concursos PDF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *