Papa expulsa sacerdotes chilenos acusados de pedofilia

O papa Francisco expulsou do sacerdócio neste sábado (13/10) os ex-bispos chilenos José Francisco Cox Huneeus, de 85 anos, da cidade de La Serena, e Marco Antonio Órdenes Fernández, de 54 anos, de Iquique, ambos acusados de abusos sexuais.

O Vaticano informou que o pontífice “renunciou do estado clerical” Cox e Órdenes, medida que os expulsa do sacerdócio, depois de terem sido submetidos a uma investigação da Congregação para a Doutrina da Fé. Não cabe recurso.

Essas duas expulsões se somam às dos sacerdotes chilenos Fernando Karadima Fariña e Cristián Prech, confirmadas nas últimas semanas.

Papa Francisco durante audiência com presidente do Chile, Sebastián Piñera

Foto: DW / Deutsche Welle

“A decisão foi tomada pelo papa Francisco em 11 de outubro e não admite recurso”, comunicou o Vaticano, que comunicou a medida aos dois bispos eméritos.

Cox está aposentado desde 2002, vive na cidade alemã de Vallendar e tinha sido acusado de abusos sexuais contra menores de idade no Chile. Recentemente, foi divulgado um novo caso na Alemanha.

Em 2002, foi transferido a um mosteiro na Alemanha para viver uma vida de “silêncio, oração e penitência” quando começaram a circular as primeiras acusações.

No caso de Órdenes, o papa Bento 16 já tinha aceitado em 2012 a renúncia do bispo de Iquique, que a apresentou após ter sido acusado de abusos sexuais contra um menino.

No começo do ano, a Justiça chilena arquivou o caso sobre a acusação de estupro contra um menor, o que não parece ter sido levado em conta pela Doutrina da Fé na sentença. De acordo com o porta-voz do Vaticano, Greg Burke, a medida dá sequência à “linha dura do papa Francisco em relação aos abusos”.

Vários membros da Igreja Católica do Chile envolvidos em casos de abuso, incluindo alguns bispos, levaram o clero chileno à pior crise da sua história.

Em maio, todos os 34 bispos chilenos apresentaram a sua renúncia depois de três encontros com o papa Francisco, no Vaticano, na sequência de uma série de erros e omissões na gestão de casos de abuso sexual.

De acordo com um relatório publicado no final de agosto, existem no Chile 119 investigações em curso contra 167 pessoas relacionadas com a Igreja e 178 vítimas identificadas, 79 das quais eram menores quando os casos ocorreram.

A crise no clero chileno e a “dolorosa ferida do abuso de menores” também foi tema durante encontro com o presidente do Chile, Sebastián Piñera, que o papa recebeu para uma audiência neste sábado.

Nos EUA, a Igreja Católica também vem lutando contra um grande escândalo de abusos. Na sexta-feira foi anunciado que o papa Francisco aceitou a renúncia do arcebispo de Washington. O cardeal Donald Wuerl estava sob pressão há semanas porque estaria envolvido no encobrimento de casos de abuso no clero durante seu tempo em que foi bispo de Pittsburgh, na Pensilvânia.

Veja também:

 

Neta de rainha Elizabeth II casa com empresário em Windsor

Deutsche Welle
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Fonte: PORTAL TERRA – NOTÍCIAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *