Koenigsegg Regera especial tem carroceria feita apenas de fibra de carbono

Sem resina epóxi ou tinta,, modelo tem peças polidas e lixadas a mão e é aproximadamente 20 kg mais leve

Por
Thais Villaça

access_time

6 dez 2018, 19h11

Exemplar do Regera foi desenvolvido apenas com fibra de carbono, sem coberturas

Exemplar do Regera foi desenvolvido apenas com fibra de carbono, sem coberturas (Divulgação/Koenigsegg)

Apesar de o Koenigsegg Regera estar esgotado desde o ano passado, uma vez que foi criado em edição limitada a 80 unidades, ainda existem carros que precisam ser entregues aos clientes.

Deles, um tem carroceria composta apenas de fibra de carbono, sem qualquer tipo de cobertura como laca ou verniz. Nem mesmo a tradicional camada de epóxi que costuma cobrir peças de fibra de carbono foi usada.

Carro é feito de forma artesanal, lixado e polido manualmente

Carro é feito de forma artesanal, lixado e polido manualmente (Divulgação/Koenigsegg)

Chamado de Koenigsegg Naked Carbon, o hiperesportivo de mais de 1.500 cv é produzido de forma artesanal, com cada painel lixado e polido manualmente no sentido da fibra, em um processo extremamente delicado.

Carroceria é mais resistente a riscos e a calor e frio excessivos

Carroceria é mais resistente a riscos e a calor e frio excessivos (Divulgação/Koenigsegg)

Como resultado, o acabamento é bastante original, com as fibras da carroceria sensíveis pelo tato. A superfície é bem mais fria sem a cobertura de epóxi e a cor grafite metálica fica mais evidenciada.

Sem pintura ou vernizes, o carro perde cerca de 20 kg

Sem pintura ou vernizes, o carro perde cerca de 20 kg (Divulgação/Koenigsegg)

As vantagens de um carro sem pintura, segundo a Koenigsegg, são a resistência a danos, como riscos e pequenos amassados, e a aparência se manter a mesma por não sofrer com alterações climáticas como calor ou frio excessivo, como acontece com pinturas comuns.

Além disso, por não receber tinta ou quaisquer outras coberturas na carroceria, o carro perde cerca de 20 kg.

http://platform.twitter.com/widgets.js

Fonte: Revista Quatro Rodas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *