Jardine fala em seguir no São Paulo; protesto tem tumulto com PM em Metrô

Em entrevista coletiva, André Jardine mostrou abatimento e admitiu estar bastante frustrado com a eliminação do São Paulo na Copa Libertadores. Na noite desta quarta-feira 12, no Morumbi, o time tricolor não passou de um empate sem gols diante do argentino Talleres, que avançou na competição por ter vencido o jogo de ida por 2 a 0.

Depois do jogo, são-paulinos protestaram nos arredores do estádio e houve tumulto na estação São Paulo-Morumbi, da Linha 4-Amarela do Metrô. Na confusão, torcedores arrombaram vidros em uma entrada após o fechamento do local. De acordo com eles, não foi cumprido um acordo de que as portas estariam abertas até 1h. A Polícia Militar usou gás de pimenta após confronto.

A coletiva de imprensa de Jardine

“Eu sou muito consciente e autocrítico. Talvez a maioria dos treinadores sejam assim também. Sendo bem sincero, é bem frustrante o que eu consegui extrair até agora. Eu tinha uma expectativa muito maior. Atitude não faltou, a equipe se entregou no seu limite. Eu posso garantir, especialmente para a nossa torcida, que eles foram no seu limite. Taticamente e tecnicamente fomos abaixo, e essa responsabilidade é minha”, avaliou Jardine em sua coletiva de imprensa

Criticado pela torcida em protesto na frente do estádio, o treinador não entregou o cargo apesar da enorme pressão e disse que seguirá como técnico do São Paulo enquanto se sentir capaz de trabalhar como tal.

“Eu realmente não sei dizer qual é o meu limite. O que eu sei é que quem está no futebol. jogadores, presidente, Raí, estamos sujeitos e estamos aqui para suportar a pressão que é estar no São Paulo. O São Paulo é muito grande. A pressão dos anos que não conquista, a gente sabe de tudo isso. Todos estamos trabalhando, todos os dias, acreditando que teremos um grande ano. Enquanto eu me sentir capaz e com força para seguir, eu vou seguir, sim”, afirmou.

Questionado se havia conversado com o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva e o diretor-executivo de futebol Raí no vestiário, Jardine falou que o momento é de tristeza e de passar força um para o outro.

“Nós, no São Paulo, temos o hábito de estar juntos na derrota e na vitória. Todos estão tristes. As palavras que falamos um para os outros são de força. Não se fala muito”, disse, antes de admitir a superioridade do time argentino no confronto eliminatório.

“O Talleres imprimiu uma marcação agressiva nos dois jogos, isso nos incomodou bastante. Nenhum momento nosso time teve tranquilidade para jogar. Isso foi o maior mérito do Talleres no jogo de hoje, praticamente anulou nossas principais virtudes. Ansiedade pode ter nos atrapalhado um pouco, alguns jogadores tentaram resolver o problema com o que se passava na cabeça”, concluiu.

Protestos após o jogo e problemas com transporte

Os protestos pela eliminação não ocorreram apenas durante o jogo. A principal torcida organizada do clube, a Independente, foi até o portão principal do Morumbi para contestar o trabalho de diretoria, elenco e comissão técnica.

apostilas em pdf opção

Nem mesmo o ídolo e diretor-executivo de futebol do clube escapou das cobranças. “Raí, pede pra sair”, bradaram os torcedores, que também pediram a demissão do técnico André Jardine, cada vez mais pressionado pelos maus resultados do time neste início de temporada.

Alguns outros gritos proferidos foram: “Ah, mas que saudade. quando o São Paulo jogava com vontade” e “Não é mole não, to cansado de time amarelão”.

Agentes particulares e oficiais da Polícia Militar fizeram a segurança do local até a torcida organizada deixar a Praça Roberto Gomes Pedrosa, localizada em frente ao estádio.

Perto dali, na estação São Paulo-Morumbi do Metrô, torcedores quebraram uma porta de acesso ao local. A insatisfação foi com o fechamento da estação na meia-noite desta quinta-feira. A ação é comum em jogos que recebem mais de 40 mil pessoas. No caso do duelo com o Talleres, 44.737 pessoas estiveram no estádio.

De acordo com relatos, a Polícia Militar utilizou gás de pimenta para conter a confusão, após tumulto.

A eliminação precoce, além de aumentar o histórico de vexames sofridos pelo clube nos últimos anos, faz a pressão sobre o técnico André Jardine crescer a um patamar elevadíssimo. Afinal, a equipe acumula resultados negativos neste início de temporada e não apresenta sinais de evolução sob o comando do treinador de 39 anos, que pode ser demitido nas próximas horas.

Seja como for, o São Paulo tem pouco tempo para lamentar, já que tem um clássico pela frente. Neste domingo, às 19 horas (de Brasília), com ou sem Jardine, o Tricolor enfrenta o Corinthians pelo Campeonato Paulista, em Itaquera.

(Com Gazeta Press)

http://platform.twitter.com/widgets.js

Fonte: Revista Saúde

Download Estrategia Concursos PDF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *