Idec: Nova regra do cheque especial é educativa, mas não elimina riscos

Outra crítica da economista do Instituto é o que ela classifica como “ausência de transparência sobre a composição do Custo Efetivo Total” da operação

Por
Fernando Nakagawa, do Estadão Conteúdo

access_time

10 abr 2018, 16h05

Brasília – A economista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Ione Amorim, avaliou as novas regras para o funcionamento do cheque especial como “tímidas”. “A medida é educativa, mas não resolve o problema da oferta e do risco na utilização e também na proposta de refinanciamento do saldo, o que poderá resultar em parcelamentos múltiplos e frequentes de saldos”, diz a economista.

Outra crítica da economista é o que ela classifica como “ausência de transparência sobre a composição do Custo Efetivo Total” da operação. Sem detalhamento previsto, a nova norma, diz a economista, não fornecerá dados para “avaliar a composição do saldo e os custos adicionais que serão embutidos nos parcelamentos propostos”.

Ione Amorim elogia a iniciativa dos bancos de desvincular o cheque especial do saldo apresentado ao cliente. A medida coibirá prática que induzia o consumidor a ter a ilusão de que o saldo disponível era maior sem o devido alerta sobre os custos dessa operação.



Créditos: Exame