Governo prevê salário mínimo de R$ 1002 a partir de 2019 – Finanças Pessoais

Brasil Econômico


Novo salário mínimo de 2019 deverá romper pela primeira vez a barreira dos mil reais.
USP Imagins/Fotos Públicas

Novo salário mínimo de 2019 deverá romper pela primeira vez a barreira dos mil reais.

O governo federal anunciou hoje (12) que o salário mínimo proposto para 2019 deverá ser de R$ 1002. O aumento de R$ 48 representa pouco mais de 5% em relação ao atual de R$ 954. Se a previsão se confirmar, essa será a primeira vez que o montante romperá a barreira dos mil reais desde que o Plano Real entrou em vigor em 1994.

Leia também: Projeto que libera FGTS a quem pede demissão é aprovado, mas governo quer barrar

O valor foi anunciado durante a apresentação do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias  (LDO) de 2019 feito na manhã de hoje pelos novos ministros do Planejamento, Esteves Colnago, e da Fazenda, Eduardo Guardia. O anúncio já era aguardado porque, pela legislação, o governo tem até o dia 15 de abril de cada ano para enviar o projeto ao Congresso Nacional. 

Essa deverá ser a última vez que o salário mínimo
será calculado levando em consideração apenas o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas pelo país) de dois anos anteriores e a inflação do ano imeditamente anterior. Isso só não acontecerá se o Congresso Nacional aprovar nova medida provisória prorrogando o período de vigência dessa base de cálculo usada pelo governo federal desde 2006.

Enquanto isso não acontece, além de contabilizar o PIB
de 2017 de 1%, o governo utilizou a previsão de inflação
de 4% que consta no Boletim Focus, uma pesquisa com mais de 100 instituições financeiras divulgada toda semana pelo Banco Central, resultando na proposta de reajuste de 5%.

O valor final, porém, pode mudar já que ele levará em consideração a inflação consolidada medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Revisões nessa previsão são recorrentes por parte do governo de acordo com a atualização da inflação medida no ano. Em 2017, por exemplo, o valor que constava na LDO aprovada pelo Congresso foi de R$ 965, mas com a inflação fechando abaixo da meta, o salário mínimo acabou ficando em R$ 954.

Como é calculado o salário mínimo?

O salário mínimo no Brasil foi criado por Getúlio Vargas em 1º de maio de 1940, data em que já era comemorada o Dia do Trabalho. De lá pra cá a legislação trabalhista e a política monetária mudaram diversas vezes até que em 2006 o governo do então presidente Luis Inácio Lula da Silva, em acordo com as centrais sindicais, criou a nova base de cálculo para garantir um aumento real no poder aquisitivo dos brasileiros.

O governo estabeleceu que dali em diante o salário mínimo seria definido por lei que determinava um reajuste anual com base na inflação e no PIB. Se houvesse deflação (queda no preço dos produtos) e/ou PIB negativo (como nos anos de 2015 e 2016), o salário mínimo não perderia valor, ou seja, o valor absoluto final nunca diminuiria para os trabalhadores.


Valorização do salário mínimo desde 1994 (começo do Plano Real) até janeiro de 2016
Politize

Valorização do salário mínimo desde 1994 (começo do Plano Real) até janeiro de 2016

Leia também: INSS chama 90 mil beneficiários para perícia médica; veja se você está na lista

Essa forma de calcular deveria valer por 10 anos, mas em 2015 a presidente Dilma Rousseff aprovou a renovação dessa base de cálculo por mais quatro anos (até 2019), com possibilidade de prorrogação por mais quatro (até 2023). No ano que vem, portanto, deverá ser discutida a manutenção da atual ou a mudança para uma nova base de cálculo do salário mínimo.

A nova política de valorização do salário mínimo trouxe aumentos reais ao poder aquisitivo dos mais de 40 milhões de brasileiros que recebem ele, mas também impactou as contas públicas. O valor do salário mínimo era usado para atualizar, por exemplo, o benefício dos aposentados e pensionistas do INSS de modo que os gastos com a previdência dispararam.

Isso fez com que a presidente Dilma Rousseff, na mesma ocasião da prorrogação da forma de cálculo do salário em 2015, vetasse a política de valorização do benefícios concecidos pelo INSS. Dessa forma, os aposentados e pensionistas que recebem mais de um salário mínimo como benefício (44%) passaram a contar apenas com o reajuste da inflação ano a ano.

Qual o valor do salário mínimo necessário? 

A atual política de valorização do salário mínimo, no entanto, não foi suficiente para cobrir todos os gastos pelos quais os cidadãos brasileiros têm direito previsto na Constituição: moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e Previdência Social. Ciente disso, o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socieconômicos (DIEESE) calcula mensalmente o valor do salário mínimo necessário.

O cálculo do DIEESE
é feito levando em consideração o sustento de uma família de dois adultos e duas crianças. Com base no valor da cesta básica mais cara dentre as capitais brasileiras naquele mês multiplicado por três (dois adultos com peso um e duas crianças com peso 0,5 na conta) chegasse ao valor gasto pelo trabalhador com alimentação.

Como o gasto estimado em alimentação de uma família do extrato social mais baixo da população é em torno de 35%, o DIEESE faz uma ponderação para saber qual o valor total necessário para suprir todos os direitos básicos de um trabalhador e, portanto, definir mensalmente o valor do salário. O último número divulgado pelo DIEESE, relativo ao mês de março, foi de R$ 3.706,44. O valor é 3,89 vezes o salário atualmente em vigor.

O que é salário mínimo regional?

Antes mesmo da lei de 2006 que criou a política de valorização do salário mínimo, uma outra lei importante envolvendo o salário mínimo foi aprovada. A Lei Complementar 103, de 200, deu aos estados autonomia para decidir um valor diferente do salário mínimo dentro de seus limites territoriais, com a condição de que não fosse menor do que o federal.

Em 2001, o Rio Grande do Sul foi o primeiro estado a criar o seu salário mínimo regional. Na ocasião o valor federal estava em R$ 180 e o gaúcho era de R$ 230. Atualmente, o valor do salário mínimo do Rio Grande do Sul é de R$ 1.175,15.

Leia também: Parcelamento sem juros no cartão de crédito não vai acabar, diz presidente do BC

No ano seguinte foi a vez do Rio de Janeiro criar um salário mínimo próprio. O valor do salário federal era de R$ 200 e os cariocas passaram a ganhar R$ 220. Atualmente, o valor do salário mínimo do Rio de Janeiro é de R$ 1.136,53. De lá pra cá, São Paulo, Paraná e Santa Catarina tamvém criaram suas próprias tabelas de reajuste do valor do salário mínimo
e não seguem o valor instituído pelo governo federal.

Créditos:

IG – Brasil Econômico

%d blogueiros gostam disto: