Google se rende ao Kremlin e elimina do YouTube anúncios de opositor russo

Comissão Eleitoral Central da Rússia enviou nesta semana uma carta ao diretor da companhia, na qual pediu que respeitasse a legislação eleitoral russa

Por
EFE

access_time

8 set 2018, 15h00

Moscou – O Google eliminou do YouTube os vídeos do opositor russo Alexei Navalny sobre as eleições regionais e locais que serão realizadas no domingo na Rússia, atendendo a uma advertência do Kremlin contra a ingerência no pleito, confirmou neste sábado à Agência Efe a multinacional americana.

“Levamos em consideração todas as solicitações de órgãos do Estado. Exigimos, além disso, que os anunciantes atuem de acordo com a legislação local e nossas políticas de publicidade”, afirmou o gabinete de imprensa do Google.

Pouco antes, os partidários de Navalny denunciaram que a companhia americana sucumbiu às exigências de Kremlin.

“Pela primeira vez na história, a companhia satisfez as exigências ilegais das autoridades russas e apagou do YouTube a publicidade paga sobre o comício” contra a reforma da previdência convocado por Navalny para o dia do pleito, escreveu nas redes sociais Leonid Volkov, próximo colaborador do opositor.

Segundo Volkov, o serviço da Google também “bloqueou a rodagem da maioria dos vídeos” postados por Navalni e seus colaboradores.

A Comissão Eleitoral Central (CEC) de Rússia enviou nesta semana uma carta ao diretor da companhia americana, Larry Page, na qual pediu que respeitasse a legislação eleitoral russa.

A autoridade russa afirmou em seu documento que a lei deste país proíbe informação política sobre a jornada eleitoral de amanhã, que inclui a eleição do novo prefeito de Moscou.

O regulador russo de veículos de imprensa, Roskomnadzor, também enviou uma carta à Google na qual acusou a companhia americana de receber conteúdo ilegal que viola a legislação eleitoral.

A entidade estimou em mais de 40 os canais do YouTube que propagam, tanto em nível federal como regional, informações que chamam abertamente a violar a lei e qualificou o serviço da Google de “elo unificador” da propaganda a favor do comportamento antissocial durante a jornada eleitoral.

Também denunciou que a Google oferece “possibilidades praticamente ilimitadas” às pessoas interessadas na “desestabilização da situação na Rússia”, em clara alusão à oposição radical ao presidente russo, Vladimir Putin.

Navalny, a quem as autoridades impedem de apresentar uma candidatura eleitoral devido a seus antecedentes penais, tem no “YouTube” um canal de televisão no qual costuma convocar seus partidários a participar de manifestações antigovernamentais.

(function(d){var id=”facebook-jssdk”;if(!d.getElementById(id)){var js=d.createElement(“script”),ref=d.getElementsByTagName(“script”)[0];js.id=id,js.async=true,js.src=”https://connect.facebook.net/pt_BR/all.js”,ref.parentNode.insertBefore(js,ref)}})(document)

Fonte: Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *