Faci.ly: o aplicativo fez um vice-presidente do Facebook pedir demissão

Como um Uber para profissionais de beleza, novo app almeja facilitar a vida das pessoas

access_time

12 jul 2018, 11h01 – Publicado em 12 jul 2018, 10h46

São Paulo — O Facebook está prestes a perder um dos seus principais executivos que atuam no Brasil: Diego Dzodan, vice-presidente da empresa para a América Latina, sairá em breve para tocar seu novo empreendimento junto com sua esposa, Ingrid, e uma nova equipe. O novo negócio é um aplicativo chamado Faci.ly, uma espécie de Uber da beleza. 

Idealizado por Ingrid, o projeto inicialmente conectará profissionais de beleza com pessoas interessadas em serem atendidas em casa. A empresa fica com 30% do valor pago pelos clientes e, no momento, funciona apenas na região da av. Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo. Os serviços oferecidos são de manicure, depilação e design de sobrancelhas.

O próximo passo que deve ser dado pela companhia ainda neste ano é entrar em mais segmentos. O nome Faci.ly não tem relação alguma com a palavra face, como pode até parecer, mas se associa à ideia de facilitar a vida dos seus clientes. Ainda não está definido o próximo campo de atuação do aplicativo, integralmente financiado por Dzodan no momento. Porém, o objetivo declarado da companhia é promover conexões que facilitem a vida das pessoas, como rapidamente chamar um encanador pelo app.

Luciano Freitas, formado em música e com passagens pelo marketing de empresas internacionais, como Uber e Airbnb, é um dos integrantes da Faci.ly, com o cargo de CMO (gerente de marketing). Em entrevista a EXAME, Freitas conta que o desafio inicial da empresa é parecido com o de plataformas digitais do Vale do Silício: crescer de maneira satisfatória para profissionais de beleza e clientes, sendo o primeiro grupo inicialmente mais importante. Assim como Uber, Airbnb e muitos outros apps, o Faci.ly terá estratégia de divulgação online e dará bônus de indicação para quem recomendar o aplicativo a profissionais e clientes. 

Gustavo Pontes, que atua como chefe de operações da empresa, é o cofundador do Resolve Aí, startup que promovia a conexão de pessoas com táxis.

O valor de investimento inicial não foi declarado e o aplicativo, que tem versões para Android e iPhone, deve participar de rodadas de investimento no futuro. 

Apesar de Dzodan ter experiência e contatos em países da América Latina, o Brasil deve permanecer como foco inicial da empresa, começando por São Paulo e, depois, expandindo para outros centros urbanos do país,  como Rio, Curitiba e Belo Horizonte. 

A expectativa de ticket médio da Faci.ly é de 35 a 40 reais no primeiro ano, em razão do preço inicial ser de 35 reais para fazer as unhas da mão. 

O Faci.ly está disponível nas lojas de aplicativos do Android e do iPhone e deve enfrentar, ao menos no começo, desafios semelhantes ao do Singu, de Tallis Gomes, um dos fundadores do app de transporte individual Easy, e do Vaniday, que saiu do mercado brasileiro no ano passado. 


Fonte: Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *