Crítica | Sex Education renova o clichê e acerta no tom


Sex Education estreou prometendo ser uma mistura de Skins com The End of The F** World e não decepcionou. Tratando de assunto mais do que relevantes, como homofobia, bullying e gravidez da adolescência, a série do Reino Unido deixa para trás antigos tabus envolvendo sexualidade e séries teen e fala/mostra abertamente o processo complicado que é a descoberta na puberdade. 


 


Estrelada por Gillian Anderson e Asa Butterfield, o seriado conta a história de Otis, um garoto tímido que precisa lidar com sua mãe, Jean, uma terapeuta sexual bem moderna. Apesar do ônus de ser filho de quem é, a parte positiva aparece quando percebe que, assim como sua mãe, pode ajudar e aconselhar os jovens da sua escola com questões sexuais. 


 


Divertido na medida certa e com um humor inglês bem colocado, Sex Education consegue dar uma cara nova ao clichê e não tem medo de abusar na linguagem e nas imagens. 


 


Um dos pontos altos da série, é o ator Ncuti Gatwa, que dá vida ao personagem Eric. Cheio de vida, Ncuti entrega um personagem carismático, divertido e dá vida a uma trajetória difícil e cheia de preconceitos e dificuldade de autoaceitação. 

apostilas em pdf opção


 


Deixando um gancho para uma segunda temporada, Sex Education trabalha o clichê de forma criativa e consegue conquistar o público e preencheu o coração daqueles que já estavam carentes das séries teen da Netflix.  


 


(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.7”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: PORTAL O FUXICO

Download Estrategia Concursos PDF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *