As dez vezes em que o Longa Duração acabou antes da hora

O Longa Duração é uma das seções mais antigas e conhecidas de QUATRO RODAS.

O teste, que não é feito por nenhuma outra revista do mundo, envolve a compra (de forma anônima) de um automóvel, a rodagem prolongada dele e seu posterior desmonte para avaliação.

Só que nem sempre conseguimos chegar à quilometragem final – atualmente vamos até os 60 mil km. Relembramos dez oportunidades em que alguns carros da nossa frota se transformaram em “curta duração”.

Volkswagen Voyage (1987)

O Voyage terminou o teste desmontado, como previsto. Pena que não foi por nós

O Voyage terminou o teste desmontado, como previsto. Pena que não foi por nós (Quatro Rodas/Quatro Rodas)

A polícia de São Paulo telefonou para avisar que encontrara o sedã oito dias depois do roubo. Mas fez questão de adiantar que o serviço “havia sido bem feito”.

Eles se referiam ao desmanche, que não perdoou nem os difusores do sistema de ventilação e encerrou o teste aos 22.169 km.

Chevrolet Vectra (1995)

Os ladrões não só rodaram mais de 30 mil km como fizeram até documentos novos (e falsos) para o Vectra

Os ladrões não só rodaram mais de 30 mil km como fizeram até documentos novos (e falsos) para o Vectra (Quatro Rodas/Quatro Rodas)

Não deu tempo nem de fazer o primeiro teste dele. Nosso então fotógrafo Marco de Bari, falecido em 2016, até tentou argumentar com os ladrões.

Não adiantou nada, e os meliantes rodaram mais de 30 mil quilômetros com o Vectra até ele ser encontrado, nove meses depois, em Araras (SP).

Chevrolet Montana (2004)

O estrago da Montana até foi reparado, mas não impediu que ela fosse trocada no Longa Duração

O estrago da Montana até foi reparado, mas não impediu que ela fosse trocada no Longa Duração (Felipe Barcellos/Quatro Rodas)

Aos 23.296 quilômetros a Montana derrapou e rodou quatro vezes na pista antes de parar, amassada na dianteira e traseira.

Ela até foi consertada, mas optamos por comprar outra e refazer o teste

Fiat Stilo (2003)

Veja o lado bom: pelo menos o Stilo deu adeus ao Longa de cara limpa (e molhada)

Veja o lado bom: pelo menos o Stilo deu adeus ao Longa de cara limpa (e molhada) (Reinado Rollo/Quatro Rodas)

Uma das fotos mais icônicas do Longa Duração retrata o fim antecipado (e molhado) do hatch médio, que tinha 6.000 km.

Na ocasião o Stilo fazia sua primeira grande viagem – até Floriano (PI) -, e o fotógrafo Reinado Rollo quis registrar o carro ao lado do rio Parnaíba.

Só que o carro começou a se mover enquanto Rollo preparava o clique, e não houve tempo para salvar o Stilo de mergulhar na água, e ficar lá no fundo por dois dias.

Volkswagen Santana (1991)

Rodamos, desmontamos, montamos e testamos de tudo no Santana antes da homocinética recondicionada abrir o bico

Rodamos, desmontamos, montamos e testamos de tudo no Santana antes da homocinética recondicionada abrir o bico (Quatro Rodas/Quatro Rodas)

Maldade ele estar na lista. Era para rodar 50 mil km, e rodou.

Convertemos para gasolina e fomos até os 75 mil km. Até tentamos levá-lo aos 100 mil km usando peças recondicionadas, mas o sedã quebrou aos 87.318 km, vitimado pela quebra da homocinética.

Fiat Uno (1991)

Sinal dos tempos: ainda há problemas na revisão, mas pelo menos uma concessionária nunca mais estragou um motor de um carro nosso

Sinal dos tempos: ainda há problemas na revisão, mas pelo menos uma concessionária nunca mais estragou um motor de um carro nosso (Quatro Rodas/Quatro Rodas)

“O carro pegou fogo, doutor?” A pergunta do frentista encerrava o teste do Mille, aos 12.051 km.

Na revisão uma concessionária de São Paulo usou alguma soda cáustica para lavar o motor – e demorou demais para enxaguar.

O estrago foi irreversível, e o Mille nos deixou prematuramente.

Volkswagen Fusca (1994)

O Fusca voltou a ser feito na década de 90, mas quis o destino que o mesmo não ocorresse com ele no Longa Duração

O Fusca voltou a ser feito na década de 90, mas quis o destino que o mesmo não ocorresse com ele no Longa Duração (Quatro Rodas/Quatro Rodas)

O Fusca subiu no canteiro central da avenida dos Bandeirantes, em São Paulo, rodou e só não capotou porque bateu em um poste.

Aos 29.384 quilômetros, ele deixava as páginas de testes para entrar na história. Só voltamos a dirigir um na seção Grandes Brasileiros.

Fiat Idea (2006)

Bem que tentamos, mas não deu para o Idea cumprir o Longa Duração

Bem que tentamos, mas não deu para o Idea cumprir o Longa Duração (Silvio Goya/Quatro Rodas)

O monovolume da Fiat no Longa Duração é, antes de tudo, um sofredor.

Na primeira tentativa em que compramos ele o teste foi encerrado após o modelo ser roubado, aos 7.000 km.

Com o prêmio da seguradora compramos outro Idea, igual ao anterior, e que também foi roubado.

Só que dessa vez o modelo foi recuperado intacto, e continuamos com o teste.

E aí fomos vítimas de nós mesmos.

Por um descuido, perdemos uma das revisões obrigatórias e, com isso, a garantia de fábrica. Isso inviabilizou a continuidade do teste, e novamente o Idea deixou o Longa Duração.

Suzuki Swift (1992)

Nem um caminhão foi capaz de impedir o fotógrafo Cláudio Larangeira de fazer seu trabalho

Nem um caminhão foi capaz de impedir o fotógrafo Cláudio Larangeira de fazer seu trabalho (Cláudio Larangeira/Quatro Rodas)

Nosso primeiro carro estrangeiro foi reduzido a meio metro de altura após ser esmagado por um caminhão de lixo em Porto Velho (RO).

O fotógrafo Cláudio Larangeira não só sobreviveu ao susto como fez as fotos do estrago.

Volkswagen Fusca (1976)

O crime foi um dos principais responsáveis por encurtar os testes do Longa Duração

O crime foi um dos principais responsáveis por encurtar os testes do Longa Duração (Quatro Rodas/Quatro Rodas)

O leitor nem ficou sabendo quando o repórter Edson Higo do Prazo capotou um Fusca, em 1976.

Na época só publicávamos a situação dos carros no fim do teste (que ocorria aos 30 mil quilômetros). Compramos outro (este, da foto) e fomos em frente.

Bônus: Effa M100 (2009)

O Effa M100 foi o único carro que, de tão inseguro e com assistência ruim, saiu do Longa Duração por opção nossa.

O primeiro carro chinês a participar do Longa Duração também foi o único a ser desmontado antes da hora.

A péssima assistência técnica e a incapacidade da suspensão de manter o hatch estável na estrada nos levaram a finalizar o teste após rodarmos 42.100 km.

Fonte: Revista Quatro Rodas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *