Animal é o presente de natal que precisa ter um futuro garantido

No dia 25 de dezembro é comemorado o Natal, uma data em que muitos pais pretendem presentear seus filhos com um animal de estimação, mas é preciso tomar alguns cuidados para que esta escolha não se transforme num problema para a família e, principalmente para o animal.

“No processo de educação, os pais devem ter a preocupação de ensinar a criança a ver o animal como um amigo, que precisa ser protegido dentro e fora de casa, e não como brinquedo. O contato com os animais proporciona uma aproximação da criança com o mundo natural, desenvolvendo o sentimento de respeito a todas as formas de vida”, ressalta Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News (www.revistaecotour.news).

Até os quatro anos a criança vê o animal como um objeto, por isso é preciso que os pais mostrem a ela que os animais respiram, tem fome, sede, sentem dor, amam e jamais poderão ser abandonados.

A partir dos dez anos é possível confiar os cuidados necessários à saúde do animal, sem que haja perigo de maus tratos, desde que sejam orientados corretamente.

Os pais e educadores devem estimular as crianças a valorizarem as boas ações em prol dos animais. É preciso despertar o interesse na criança para trazer consigo um compromisso ético para com o meio em que vive.

“Animais não são mercadorias, mas seres dotados de sentimentos, que têm necessidades de serem amados e capacidade de amar incondicionalmente, por isto devem ser respeitados e, jamais tratados como objetos, mas considerados como amigos muito fiéis”, enfatiza Vininha Carvalho.

Para quem deseja presentear um amigo adulto com um filhote, é muito importante consultar se o futuro tutor deseja realmente ter, cuidar e se responsabilizar pelo animal. Entre os cães e gatos , existem inúmeras raças, cada uma tem sua peculiaridade e, isto deve ser analisado na hora da aquisição.

Alguns se adaptam melhor a pessoas ativas e outras são excelentes para companhia, podendo permanecer ao lado do dono simplesmente observando-o.

A posse de um animal envolve preparo, além de condições econômica e física para a função. Assim, antes de tomar essa decisão, é preciso ter consciência de suas necessidades primárias como espaço, alimentação, lazer e conhecer o comportamento da espécie.

“A posse responsável requer conscientização do tutor sobre a guarda, ressaltando que ter um animal de estimação é oferecer espaço em sua vida para um ser muito especial, que poderá permanecer ao seu lado por mais de dez anos”, alerta Vininha F. Carvalho.

Segundo a Abinpet, o gasto com cães pode chegar, mensalmente, a cerca de R$ 308 quando calculado o valor de ração, vacinas, banho e tosa e controle de pulgas, entre outros. Para raças pequenas, mensalmente, os gastos não passam de R$ 133.

O gasto geral com gatos é menor, e não passa, em média, de R$ 84,19, com todos os valores computados.

Para aqueles que buscam um pet ainda mais econômico, aves, roedores e peixes pesam ainda menos no orçamento. Roedores custam cerca de R$25 mensais; peixes, R$18. Já as aves tomam somente R$ 15 de cuidado.

A compra impulsiva de certas pessoas e a falta de orientação, associadas aos maus criadores resultam no aumento do número de animais abandonados ou sujeitos a enormes sofrimentos. Por isto , antes de presentear alguém como um animal , reflita se este presente terá um futuro garantido .

Website: https://www.revistaecotour.news

DINO
Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra

Fonte: PORTAL TERRA – NOTÍCIAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *