A forma pouco convencional que o Spotify estreou na Bolsa de NY

Na terça-feira, o Spotify abriu capital na Bolsa de Nova York (NYSE), mas o fez de uma forma muito pouco convencional. Por um lado, não havia nenhuma das fanfarras usuais.

O CEO não tocou no sino de abertura; na verdade, ele nem apareceu. A mídia que cobriu o evento teve que conversar entre si, pois ninguém da empresa estava disponível para entrevistas.

O IPO foi incomum em outros aspectos também. Para começar, foi uma listagem direta, o que significa que a empresa não emitiu nenhuma ação nova. Em vez disso, todas as ações existentes foram listadas diretamente na bolsa para negociação aberta.

Essa abordagem causou alguma confusão na NYSE, já que ninguém realmente sabia como precificar as ações. O valor consensual foi de US$ 132, mas depois de alguma confusão, as ações abriram por volta da hora do almoço a US$ 165,90, fechando o dia em US$ 149,01, precificando a empresa em US$ 26,5 bilhões.

De acordo com todos os padrões, esse foi um IPO bem-sucedido – as ações da empresa subiram acima do preço de abertura assumido, e a demanda foi forte, mesmo em um mercado incerto, onde os IPOs recentes tiveram dificuldades. Vamos dar uma olhada nos principais vencedores e perdedores.

Os vencedores claros são, sem dúvida, os acionistas do Spotify, que são capitalistas de risco, empresas de música como a Sony BMG, investidores iniciais como a chinesa Tencent e funcionários.

Eles viram suas participações crescerem maciçamente sem ter que compartilhar os ganhos com o habitual grupo de bancos de investimento e investidores institucionais.

Outras vencedoras foram empresas que pensavam em abrir capital, mas estavam nervosas em relação ao caminho tradicional. O Spotify mostrou que uma abordagem de listagem direta pode funcionar.

Além disso, os usuários e clientes do Spotify também serão beneficiados. Sujeito às regras de divulgação da NYSE, o Spotify será obrigado a publicar balanços, transações com informações privilegiadas, remuneração de executivos e outras decisões que determinam a sustentabilidade da empresa. O gerenciamento do Spotify está, portanto, submetendo-se à disciplina dos mercados.

Finalmente, os investidores de varejo se beneficiaram claramente da mecânica do IPO. Em um processo de bookbuilding padrão, a alocação inicial de ações vai para investidores institucionais, que podem, então, vender suas ações no mercado secundário e se beneficiar do underpricing do IPO.

Como os investidores de varejo têm acesso direto às ações originalmente vendidas, os rendimentos de subprecificação (cerca de US$ 17 por ação) foram em parte direcionados aos investidores individuais – não investidores institucionais.

No entanto, nem todos foram vencedores na terça-feira:

Os bancos de investimento e outros que normalmente se beneficiam da listagem de ações foram em grande parte eliminados do IPO do Spotify (embora a empresa tenha mantido consultores financeiros).

Ao buscar uma listagem direta, o Spotify provavelmente evitou dezenas de milhões de dólares em taxas diretas e não precisou dar ofertas especiais a grandes investidores. Fiel às suas raízes escandinavas, o Spotify escolheu uma rota igualitária.

Os bancos de Wall Street, já nervosos com as ofertas iniciais de criptomoedas, crowdfunding e outros meios para levantar capital, ficarão nervosos com a abordagem do Spotify de abrir o capital.

O Google tentou o mesmo caminho em 2004, quando tentou vender ações diretamente ao público através de um processo de leilão e sem subscritores. Por fim, rendeu-se à indústria dos bancos de investimento e acabou contratando a Goldman Sachs como sua conselheira.

O IPO do Spotify marca uma nova era na subscrição do IPO, já que os participantes do mercado agora têm acesso direto a informações sobre empresas que buscam informações financeiras. Bancos de investimento não são mais necessários.

E o Spotify em si?

Se os bancos de investimento foram os perdedores e os primeiros investidores, os vencedores, onde fica a própria empresa? Nossa percepção é de que o Spotify está em uma posição pior agora do que quando era privado.

Embora o seu IPO tenha sido excelente para os seus investidores, não achamos que tenha sido tão bom para a empresa. Existem três razões para isso.

Primeiro, a empresa não levantou nenhum novo capital. Ao listar diretamente, todos os ganhos foram para os investidores e nenhum para a própria empresa. Por outro lado, o Alibaba arrecadou US$ 21 bilhões e o Facebook arrecadou US$ 16 bilhões quando se tornaram públicos.

Isso significa que o Spotify deve contar com suas fontes existentes de capital e operações em andamento para financiar seu crescimento. Infelizmente, está perdendo dinheiro (nunca obteve lucro) e, portanto, precisará se tornar mais eficiente, elevar seus preços ou ambos.

Sem novo capital, será mais difícil para a empresa competir. Também será quase impossível fazer aquisições, portanto, precisará crescer organicamente.

Quando as empresas abrem seu capital sem levantar fundos, geralmente fazem isso para emitir “moeda de aquisição”, isto é, para facilitar a venda da própria empresa agora que é listada publicamente (por meio de uma oferta pública); ou permitir que a empresa embarque em aquisições no mercado doméstico – uma aquisição por meio de troca de ações nos Estados Unidos só é possível se as ações do adquirente forem listadas nos mercados dos EUA.

Em ambos os casos, o IPO do Spotify marca uma nova estratégia de crescimento que é focada não em crescimento orgânico e inovação, mas combinando sua plataforma e base de clientes com outras empresas maiores e menores.

Segundo, conforme mencionado anteriormente, o Spotify estará sujeito a todas as regras e regulamentos exigidos como uma empresa de capital aberto.

Ele também precisará ser transparente em sua situação financeira e sujeito a muito mais análises de mídia, analistas e investidores. A administração terá que gastar mais tempo gerenciando acionistas. Isso tornará a empresa mais transparente, mas também menos ágil.

Em terceiro lugar, as empresas privadas geralmente têm mais liberdade para pensar a longo prazo. O Spotify terá agora de atender mais aos caprichos de curto prazo dos investidores.

Na segunda-feira, um dia antes da listagem, Danien Ek, um dos fundadores do Spotify, publicou um blog sobre o IPO. Ele observou que o Spotify não está levantando capital, e nossos acionistas e funcionários têm tido liberdade para comprar e vender nossas ações por anos. Então, enquanto o amanhã nos coloca em um palco maior, isso não muda quem somos, o que somos ou como operamos.

No entanto, como empresa pública, o Spotify terá, sem dúvida, que mudar quem é. Eles se tornarão menos flexíveis e mais restritos no modo de operar. E eles assumiram essas restrições adicionais sem o benefício de levantar capital.

Embora a listagem direta tenha sido um movimento corajoso que amenizou a ganância de Wall Street, não estamos convencidos de que isso resultou em um benefício líquido para a empresa.

*Michael Wade é professor de Inovação e Estratégia, presidente da Cisco em Transformação de Negócios Digitais, da IMD Business School. Arturo Bris é Professor de Finanças no IMD e dirige o Centro de Competitividade Mundial do IMD.

Créditos: Exame

%d blogueiros gostam disto: