4 dicas de suplementos alimentares para atletas amadores

Cada vez mais populares entre quem pratica algum tipo de esporte amador ou treina com frequência nas academias, os suplementos alimentares agora fazem parte das categorias de produtos considerados fundamentais para que as atividades físicas sejam melhor aproveitadas. De acordo com os nutricionistas, eles repõem os nutrientes perdidos pelos músculos durante a prática e dão energia e disposição para correr, nadar, pedalar ou percorrer longas distâncias.

“Podemos falar do BCAA, que atua prevenindo a fadiga precoce durante o treino, do famoso e da glutamina, que fornecem suporte nutricional, regeneram os tecidos musculares e ajudam o sistema imunitário, e da maltodextrina, consumida antes e durante o treino para fornecer energia para a atividade”, explica o nutricionista Diogo Círico, da Growth Supplements.

Se você está começando a sua rotina de treinos e não sabe exatamente qual é o suplemento ideal, listamos as características dos quatro mais vendidos no Brasil.

Isotônicos

Considerados suplementos essenciais na rotina dos corredores, os isotônicos são os responsáveis por repor os minerais do corpo. Eles recolocam sódio, glicose, potássio e outros elementos perdidos no treino pelo suor, além de manter o corpo hidratado durante a corrida. Deve ser consumido em atividades mais longas, com mais de uma hora de duração, ou em treinos de menor duração em dias muito quentes. “Os isotônicos garantem equilíbrio hidroeletrolítico, que são indispensáveis para o desempenho de uma sessão de treino longa e intensa”, diz Círico.

Whey protein

Que a proteína é um dos principais nutrientes para reconstruir a estrutura do músculo e dos ossos quase todos os atletas amadores já sabem, sua importância orgânica vai além disso: suplemento feito a partir do soro do leite, ele possui uma quantidade concentrada do nutriente capaz de ser consumida mais rapidamente pelo corpo. Ele pode ser utilizado no pós-treino ou no café da manhã — horários em que o corpo mais necessita de proteína.

BCAA

BCAA é uma sigla em inglês que se refere a Aminoácidos de Cadeia Ramificada, cujo nome se deve ao fato da estrutura molecular destes nutrientes estarem ligadas de forma específica. O produto vendido nas farmácias e lojas especializadas é composto por três aminoácidos diferentes: Leucina, Valina e Isoleucina. Existem diferentes formulações, mas no Brasil o mais vendido é o BCAA 10-1-1/5-1-1/2-1-1. Eles são melhor aproveitados quando consumidos antes e depois dos exercícios físicos, porque ajudam a reduzir o dano muscular, a reagir à fabricação de proteínas e ainda influenciam na recuperação de células de defesa do sangue. De acordo com o Círico, os BCAA ainda mantêm elevada a concentração plasmática de glutamina no corpo e favorece a produção de moléculas envolvidas na sinalização entre as células durante a produção de respostas do sistema imune.

Glutamina

A glutamina, não menos famosa que os BCAA, recebe indicação de consumo ao final de cada treino. “É desperdício consumi-la em jejum pela manhã ou antes de dormir, mesmo que alguns médicos e nutricionistas indiquem usá-la nesses horários”, explica Círico. O fato é que, diferente de outros nutrientes (como o BCAA), o organismo produz glutamina em situações especiais, como uma sessão de treino intensa — capaz de reduzir os níveis plasmáticos de glutamina.

Exercícios com longa duração e períodos de treinamento exaustivos estão relacionados à redução dos níveis de glutamina sanguínea que, por sua vez, pode causar redução de algumas das atividades do sistema imunitário. “É importante consumi-la para estimular o sistema imune”, finaliza o nutricionista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami