Kroton passa a oferecer financiamento estudantil com BV Financeira

SÃO PAULO  –  (Atualizada às 13h) A Kroton firmou uma parceria com a BV Financeira para a oferta de financiamento estudantil privado (FEP) aos alunos de graduação da empresa, segundo comunicado enviado nesta sexta-feira à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O FEP tem duração prevista de dez anos e abrange todas as instituições de ensino que hoje fazem parte da rede Kroton. O financiamento não envolve qualquer tipo de transação acionária e representa “um complemento importante à atual oferta de parcelamento estudantil” da companhia, segundo o comunicado.

Ainda de acordo com a Kroton, durante o financiamento, o estudante não pagará juros, apenas correção monetária, e poderá contar com prazo de pagamento diferenciado. As operações terão início já no segundo semestre deste ano.

Para a BV, o negócio ajudará na diversificação de receitas e do negócio, além da ampliação da carteira de crédito estudantil da companhia educacional. “Juntando esforços com a BV, conseguiremos ampliar e tornar mais robustas as soluções de financiamento para os nossos alunos”, afirma Frederico Abreu, diretor financeiro da Kroton, no comunicado.

Inicialmente, a expectativa é que sejam ofertados os produtos já existentes da BV como, por exemplo, seguros. Mas, a joint venture poderá vender e criar serviços para os alunos. A receita proveniente desses produtos e serviços será divida em partes iguais para a Kroton e BV Financeira.

A joint venture não envolve transação acionária, mas essa possibilidade não está totalmente descartada no futuro, segundo Abreu.

Regras

O financiamento estudantil da Kroton em parceria com a BV Financeira terá as mesmas regras do programa de parcelamento (PEP) criado pela companhia em 2015, logo após a crise do Fies, financiamento estudantil do governo.

Os alunos poderão financiar 50% da mensalidade, sem cobrança de taxa de juros, apenas com correção monetária. Metade do valor da mensalidade é paga durante o curso e os outros 50% são quitados nos quatro anos (ou o mesmo período da graduação) seguintes à formatura. A Kroton é quem subsidia a taxa de juros e a BV Financeira entra com os recursos.

O processo de contratação do produto será feito pela Kroton. No primeiro semestre do curso do aluno, a companhia concede o PEP (Parcelamento Estudantil Privado), cujos recursos são do caixa da Kroton. No segundo período, parte dos alunos vão migrar para o financiamento estudantil, cujo risco é da BV Financeira. “Não esperamos um aumento expressivo de alunos com o financiamento e sim vamos migrar o contas a receber para o banco”, disse Rodrigo Galindo, presidente da Kroton, durante teleconferência de resultados.

A expectativa de Galindo é que 30% dos alunos estudem com crédito privado da Kroton, sendo que 15% terão o financiamento com recursos da BV Financeira e os outros 15% ainda permanecem com o PEP, programa que usa recursos próprios da Kroton. Os demais 70% dos estudantes da companhia pagam do próprio bolso, Fies ou outros formatos de pagamento.

Nesta primeira etapa, que começa em janeiro de 2018, o financiamento estudantil não será ofertado aos calouros da Kroton. Os estudantes que já tem o PEP (Parcelamento Estudantil Privado) da Kroton vão migrar para o financiamento bancário. Segundo o vice-presidente de finanças da Kroton, nos próximos semestres, a companhia pode matricular calouros diretamente com o financiamento.

Ainda de acordo com Abreu, os alunos que não têm perfil para atender as exigências do banco como fiador e comprovante de renda vão permanecer no programa de parcelamento da Kroton, mas os percentuais subsidiados serão menores.

No financiamento estudantil, os recursos vem do banco e no programa de parcelamento, a Kroton é quem paga. “O FEP [financiamento] é complementar ao PEP [parcelamento]. A oferta do financiamento vai começar pequeno e aumentando aos poucos”, disse Abreu.

Créditos:

Valor

%d blogueiros gostam disto: