Guia de Usados: Suzuki Jimny

Versão 4Sport tem pneus lameiros e para-choques de uso off-road. Snorkel é opcional

Versão 4Sport tem pneus lameiros e para-choques de uso off-road. Snorkel é opcional (Marco de Bari)

Criado para atender a limitações de espaço impostas pelo governo japonês para a concessão de determinados benefícios, o Suzuki Jimny cumpriu tão bem a função de utilitário urbano que virou sucesso no mundo, e no Brasil conquistou uma pequena comunidade de fãs.

Virtudes para essa admiração não faltam: o pequeno tamanho e o excesso de plásticos sugerem fragilidade, mas quem conhece o Jimny logo descobre que ele é uma evolução do jipe Samurai. A tração 4×4 e o chassi de longarinas sobre dois eixos rígidos o colocam na mesma categoria do Toyota Bandeirante, esbanjando uma rusticidade que só é suavizada por mimos como direção hidráulica e ar-condicionado.

Ágil, econômico e fácil de estacionar, boa parte deles sequer viu lama, circulando só nos centros urbanos, onde seu tamanho compacto (25 cm menor que um Gol) e imunização frente aos buracos são elogiáveis.

O Jimny chegou ao Brasil em 1998, deixou de ser importado em 2003, voltou ao país em 2009 e passou a ser fabricado localmente no final de 2012 pelo grupo Souza Ramos, o mesmo que controla as operações da Mitsubishi no país.

Motor 1.3 16V tem apenas 85 cv, mas não nega fogo

Motor 1.3 16V tem apenas 85 cv, mas não nega fogo (Marco de Bari)

Em todo esse tempo, pouca coisa mudou. O motor 1.3 com 16 válvulas e comando variável tem apenas 85 cv e 11,2 mkgf de torque, mas é suficiente para impulsionar os 1.050 kg do carro – em nosso último teste, ele acelerou de 0 a 100 km/h em 14,6 segundos. O câmbio é sempre manual de cinco marchas.

O sistema de tração conta com reduzida, roda livre pneumática e engates eletrônicos, feitos por meio de botões no painel. Na posição 2WD, a tração é apenas traseira. A até 100 km/h, o 4×4 pode ser engatado em pisos de baixa aderência, enquanto a reduzida exige que o carro esteja parado. Sem um diferencial central, os modos 4×4 devem ser evitados no asfalto, pois podem abreviar a vida útil dos componentes da transmissão.

Botões de acionamento da tração 4x4 ficam abaixo do ar-condicionado

Botões de acionamento da tração 4×4 ficam abaixo do ar-condicionado (Marco de Bari)

É sobre pisos ruins e de baixa aderência que o pequeno se sente à vontade, embora não desaponte em pisos lisos – desde que a velocidade seja baixa. Na estrada, acima dos 110 km/h, é suscetível a ventos laterais e a direção recebe a vibração vinda dos pneus, no entanto a suspensão de eixo rígido com molas helicoidais na frente e na traseira mostra competência em ambas as situações.

Por dentro, a simplicidade remete aos anos 1990. Embora carregue quatro, apenas os passageiros da frente viajam com conforto. O banco traseiro não chega a ser desconfortável, mas acessá-lo requer elasticidade de criança. Como está instalado sobre o eixo, os trancos de obstáculos maltratam quem está nele.

Banco traseiro é rebatível; espaço é apertado e com pouco conforto

Banco traseiro é rebatível; espaço é apertado e com pouco conforto (Marco de Bari)

No porta-malas o espaço também é restrito, mas o rebatimento do encosto compensa essa limitação. Aliás, é possível unir o encosto do banco dianteiro ao assento traseiro, formando uma cama improvisada – apesar da pequena carroceria.

Dando preferência aos modelos nacionais, o Jimny pode ser encontrado em duas versões principais: a básica 4All e a mais completa 4Sport – há também a versão 4Sun, semelhante à 4All, mas com teto solar. Todas já saíam de fábrica com direção hidráulica, vidros e retrovisores elétricos e ar-condicionado. Mas atenção: somente os modelos de 2014 para frente possuem airbags e freios ABS.

 

A voz do dono

“Eu precisava de um carro pequeno para usar no dia a dia e acabei gostando muito do SuzukiJimny. Ele é um carro bem prático e econômico, cabe em qualquer vaga e se iguala à minha picape Mitsubishi L200 em capacidade fora de estrada. A única reclamação vai para o barulho de vibração das portas e dos bancos.” – James Gomes da Silva, contador, São Paulo (SP).

O que eu adoro: “O Jimny é pequeno e muito ágil na cidade, além de ter uma ótima capacidade em trilhas de terra. Oferece um ótimo desempenho no asfalto ou fora dele.” – Aluizio Berezovsky, engenheiro eletricista, Vila Velha (ES).

O que eu odeio: “As concessionárias não são bem preparadas. Disseram que eu poderia usar a tração 4×4 em dias chuvosos para ter mais aderência e acabei quebrando o diferencial.” – Carlos de Souza Almeida, engenheiro de produção, Rio de Janeiro (RJ).

Aparência mansa esconde um desbravador que não se intimida com obstáculos

Aparência mansa esconde um desbravador que não se intimida com obstáculos (Marcos Camargo)

Onde o bicho pega

Sensor de rotação: nos motores 1.3 16V, o sensor de rotação do virabrequim costuma falhar, principalmente quando exposto a muita sujeira e umidade. Trata-se de um problema de difícil diagnóstico e que só é solucionado com a troca do sensor, localizado atrás do alternador.

Caixa de transferência: a tração 4×4 é acionada através de uma corrente que fica dentro da caixa de transferência. Se a corrente estiver gasta, ela vai escapar e a tração dianteira não irá funcionar corretamente, problema que só é solucionado com a substituição da corrente.

Suspensão: o Jimny tem dois eixos rígidos, fixos ao chassi por braços longitudinais. Se o embuchamento dos braços estiver gasto, o veículo apresentará ruídos na suspensão e uma vibração na direção entre 60 e 80 km/h, conhecida como “shimmy”. A troca das buchas resolve o problema.

Modificações: Uma das principais características do jipinho sempre foi sua flexibilidade quanto à customização. Além de acrescentar equipamentos, o comprador pode ter modificado a suspensão, o tipo e o tamanho dos pneus e até alargar as caixas de roda. Tudo isso pode influenciar no preço, mas também demanda mais cuidado com o estado de conservação.

 

Preço médio dos usados (FIPE)

2012 2013 2014 2015 2016
Jimny 4All 1.3 16v R$ 38.437 R$ 43.356 R$ 46.815 R$ 50.037 R$ 55.662
Jimny 4Sport 1.3 16V R$ 40.721 R$ 48.771 R$ 52.189 R$ 55.098 R$ 61.333

Créditos: Quatro Rodas

%d blogueiros gostam disto: