Gloria da Costa

 

uero me apresentar a vocês para que possamos estabelecer uma relação profissional bem clara, onde vamos nos unir para realizar um trabalho num conjunto harmonioso e simpático.gloria

Meu nome todo é:

MARIA EUGENIA DA GLORIA DA COSTA VASCONCELLOS

GLORIA DA COSTA – nome que utilizo no meu trabalho.

Sou brasileira, nascida no Rio de Janeiro, no bairro de Laranjeiras. Hoje estou morando em Teresópolis, na Serra dos Órgãos, no Estado do Rio de Janeiro Desde muito cedo me vi encantada com livros, escritas, redações reconhecidas na escola, e… com um sonho infantil de ser Professora.

Entretanto, nem sempre seguimos rigorosamente o caminho. Não me formei Professora mas continuei gostando de ler, escrever e me interessar por tudo aquilo que representa criação, sou também Artista Plástica e já pintei mais de 120 telas. Quando fui trabalhar lá estava eu como Correspondente da Revista Seleções (Readers Digest) me comunicando com assinantes e clientes ao vivo e através de correspondência.

Como eu tinha agilidade de pensar e escrever, também isso me ajudou na rapidez que tenho para digitar textos com muito poucas correções.

Trabalhei em diversas empresas, mas quero ressaltar onde mais realizei. Foi quando atuei numa Editora na composição de jornais, livros, revistas, onde aprendi bastante em termos de redação para diversos públicos.

Com isso, cheguei a Redatora de House-Organ, o que realizava praticamente só, contando apenas com a ajuda de uma colega que estava estudando Jornalismo. Foi uma época de muitas descobertas e conhecimento.

O que me fez buscar o trabalho “freelancer” foi o fato de ter me aposentado e sentir necessidade de não parar com o que mais gostava de fazer: escrever. Andei fazendo revisões em textos, compondo “currículos”, fazendo comentários e críticas a alguns jornais, mas eu preciso me sentir criadora também. Embora os valores oferecidos ao trabalho “freelancer” não sejam tão altos, eu gosto muito do meu trabalho e essa satisfação de realizar algo, para mim, tem valor. Quando atuamos como “freela” temos uma coisa muito boa a nosso favor que é a disponibilidade de tempo, a não obrigatoriedade de comparecer na hora marcada a lugar algum e, conforme o tamanho do trabalho que temos que apresentar, podermos atravessar a noite ou o final de semana empenhados naquilo que gostamos de fazer. Todo mundo já sabe que ‘quando a gente faz o que gosta, faz muito melhor’.

Quando encontrei a Workana encontrei também um ótimo cliente – William Mussi – que me incumbiu e deu liberdade para fazer uma matéria sobre a Bienal de Livros de São Paulo. Gostei muito e ele também, tanto que publicou em sua revista e me fez referencias elogiosas quando de sua avaliação aqui.

Tenho respondido a algumas propostas, mas sem dúvida sou muito exigente quando quero oferecer o meu trabalho, porque sei exatamente o que posso fazer e não me apresento num campo que não domino. Há pouco tempo me inseri no WordPress para me incluir num grupo que está avançando e isso me atrai.

Ao encontrar a proposta de Jacques, fiquei muito animada em me apresentar porque senti que é o assunto do qual sei falar e o trabalho que sei fazer. Um dado muito importante para mim é a clareza com que nos comunicamos e pensei: este é um bom Cliente.

Deixei de atender a outros convites por não conseguir entende-los, isso porque o cliente não sabia se expressar quanto ao que estava querendo. Com o Jacques senti que estávamos falando claramente e não deixamos ninguém esperando uma resposta. Tudo foi esclarecido e estou bem contente de estar agora fazendo parte deste grupo que pretendo ajudar a crescer, porque sei que estarei crescendo também.

%d blogueiros gostam disto: