Gafisa vende até 30% da Tenda para Jaguar Real Estate Partners

SÃO PAULO  –  (Atualizada às 11h58) Após informar o mercado que desistiu de realizar oferta pública de ações da construtora Tenda, a Gafisa anunciou que fechou contrato de venda de até 30% das ações da controlada para a Jaguar Real Estate Partners. O negócio avalia a Tenda em R$ 539,02 milhões, pelo preço de R$ 8,13 por ação. Por esse mesmo preço por papel, a Gafisa vai contar com um recebimento de caixa de R$ 231,7 milhões com o negócio.

Na oferta de ações que a Gafisa vinha tentando realizar, o preço por papel da Tenda foi estimado entre R$ 12,50 e R$ 16,50, fazendo com que a operação pudesse movimentar entre R$ 500 milhões e R$ 660 milhões.

Segundo fato relevante entregue à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o conselho de administração da Gafisa recebeu uma proposta da Jaguar Growth Asset Management, empresa da qual a Jaguar Real Estate Partners é afiliada, e decidiu seguir com as negociações como alternativa à oferta pública de ações que foi cancelada.

De acordo com a Gafisa, a aprovação do negócio com a Jaguar visa “maximizar valor” aos acionistas e não terá prejuízo do direito de preferência, conforme garantido por lei.

A transação está sujeita ao cumprimento de algumas condições, entre as quais a redução do capital social da Tenda, sem cancelamento de ações e com restituição à Gafisa, de R$ 100 milhões, corrigidos com base na taxa básica de juros (Selic). Assembleia geral realizada hoje pela Tenda aprovou a redução do capital, que passará de R$ 1,194 bilhão para R$ 1,094 bilhão.

Do montante total, R$ 50 milhões, acrescidos da correção, deverão ser pagos até 31 de dezembro de 2018 e o saldo, até 31 de dezembro de 2019, podendo ser antecipado em função de determinadas cláusulas financeiras (“covenants”) previstos no contrato.

Além disso, a Gafisa deverá reduzir o seu capital com a restituição, aos seus investidores, de ações correspondentes a 50% do capital da Tenda.

A transação também depende da conclusão do procedimento de exercício de preferência pelos acionistas da Gafisa, observando que, em adição às ações, a incorporadora ofertará aos seus acionistas papéis adicionais correspondentes a 20% do capital da Tenda.

Caso, após o direito de preferência, restem menos de 20% de ações da Tenda disponíveis para compra pela Jaguar, a compradora não estará obrigada a adquiri-las e a operação vai prosseguir com os acionistas que exerceram o direito de preferência.

“O contrato contém, ainda, declarações e garantias e obrigações de indenização típicas de operações dessa natureza, que podem gerar obrigação futura de indenizar de parte a parte”, diz o aviso ao mercado da Gafisa.

“Informações detalhadas acerca dos eventos societários descritos neste fato relevante, incluindo os procedimentos para exercício, pelos acionistas de Gafisa, do direito de preferência, constarão das respectivas propostas da administração que acompanharão as convocações das assembleias gerais de acionistas, os quais, espera-se, serão concluídos até o fim do primeiro semestre de 2017.”

Em novo aviso ao mercado, a Gafisa reforça que a venda da fatia acontece depois da decisão tomada pelo conselho de administração de desistir da oferta pública secundária de ações da Tenda. Lembra também que, ao longo dos últimos três anos, conseguiu avançar em seu objetivo de separar as estruturas administrativas da Tenda e da Gafisa, “de modo que ambas estivessem preparadas para dar seguimento a suas operações de maneira independente”.

A Jaguar é uma gestora americana com foco de investimento imobiliário em mercados emergentes. No Brasil, a instituição já possui participação na administradora de shoppings Aliansce, com fatia de 5,4%.

Atuam com a Gafisa na operação os escritórios Rothschild & Co., como assessor financeiro, e Barbosa, Müssnich & Aragão (BMA), como assessor legal, segundo o comunicado.

Créditos:

Valor

%d blogueiros gostam disto: