Franquia de faxineira, babá e cuidador de idoso custa R$ 48 mil

UOL – Larissa Coldibeli- 12/12

O administrador de empresas Eduardo Pirré, 29, passou a adolescência mudando de cidade com a família por causa da carreira de executivo do pai. A cada nova morada, ele via a dificuldade da mãe na busca por uma diarista de confiança num lugar onde não conheciam ninguém.

O problema virou oportunidade de negócio: ele é fundador da franquia de serviços domésticos Maria Brasileira, que vai fechar 2016 com mais de 150 unidades e faturamento de R$ 42 milhões. O lucro não foi divulgado.

São 15 serviços oferecidos, como limpeza, cozinheira, passadeira, jardinagem, babá, cuidador de idosos e até o “bom vizinho”, que cuida da casa quando o cliente está viajando.

Veja abaixo os dados da franquia, fornecidos pela empresa:

Investimento inicial: a partir de R$ 48 mil (custos de instalação, taxa de franquia e capital de giro)

Faturamento médio mensal: R$ 45 mil

Lucro médio mensal: 20% (R$ 9.000)

Retorno do investimento: a partir de 12 meses

PEC das domésticas impulsionou empresa

A empresa foi aberta em 2012, em São José do Rio Preto (438 km a noroeste de São Paulo). O empresário diz que foi impulsionado pela PEC das domésticas e que se inspirou em negócios similares dos EUA.

“O mercado de limpeza doméstica não era profissionalizado no Brasil. Nos EUA, isso acontece há duas décadas. A PEC das domésticas foi o empurrão que faltava para tirar a ideia de negócio do papel, porque encareceu o custo do trabalhador doméstico”, diz.

Segundo Pirré, manter um empresário doméstico em São Paulo custa entre R$ 1.600 e R$ 1.800 por mês. Na rede, o valor médio dos serviços avulsos é R$ 150. É possível negociar o preço ao fechar pacotes de serviços.

Para criar a empresa, ele se uniu ao amigo Felipe Buranello, 27, com quem havia trabalhado antes em uma empresa franqueadora. “Sempre avaliamos que o mercado de limpeza era mal explorado. Lançamos a franquia com um grande leque de serviços para poder oferecer facilidades aos clientes e para incrementar o faturamento do franqueado”, diz.

Ele afirma que o carro-chefe são os serviços de limpeza e passadeira. Depois de experimentar e ganhar confiança nestes serviços, o cliente passa a contratar outros. “81% dos nossos clientes são mulheres das classes AB, com idade entre 25 e 40 anos. A média de contratação é de dois serviços por mês, por cliente.”

Mão de obra é desafio no setor de serviços

Para o consultor especializado em franquias Fabio Cesar di Mauro, da Global Franchise, esse tipo de serviço tende a crescer no Brasil.

“O mercado de trabalhadores domésticos passou por uma transformação nos últimos anos. Com a formalização, as famílias ou não têm condições de pagar alguém dentro da lei ou não têm tempo de fazer essa contabilidade, cuidar do recolhimento dos impostos. Contratar uma empresa que preste esse serviço é uma facilidade.”

Porém, para o negócio dar certo, o franqueado precisa ser bom principalmente em gestão de pessoas. “A contratação e o treinamento de prestadores de serviço é uma das principais dificuldades do setor. É importante estar atento ao suporte oferecido pela franqueadora.”

O franqueado será responsável também pela divulgação, vendas e controles financeiros. “Falar com outros franqueados da rede antes de investir é uma maneira de saber se os números apresentados são reais, se será possível obter o faturamento e o lucro desejados.”

Onde encontrar:

Maria Brasileira: www.mariabrasileira.com.br

Créditos:

Portal do Franchising

%d blogueiros gostam disto: