Escolha da profissão

Cursos para Concurso TRF 5

Às vezes (quase sempre) bate o desespero na hora da escolha da profissão, mas aqui tem dicas e clichês para te ajudar

 Escolha da profissão vai ser sempre um bom assunto para se estar em pauta, uma vez que constantemente ocorrem mudanças e novas gerações surgem. Sem contar que existem aquelas pessoas corajosas, que quando não estão mais satisfeitas com sua realidade, incluindo sua profissão, não pensam duas vezes em simplesmente trocar de ramo e procurar algo que realmente gostem de fazer.

   Corajosos porque saem das suas zonas de conforto sem medo algum – ou talvez até com um certo medo sim – mas que vão em linha reta em encontro com aquilo que quer mesmo. Corajosos por tamparem os ouvidos e fazerem o que quer e não o que os pais, amigos ou sociedade está dizendo que é o certo.Profissão

   E é muito comum que você tenha parado de apertar a mesma tecla por saber que aquilo não é a “sua praia”. E é comum também se você está e época de decidir “o que vai ser” e não saber ao certo o que você quer, por medo de errar e não fazer o que quer e acabar como os adultos que tem medo e acabar fracassando. Uma dica: não seja.

   É tão clichê que enjoa. Mas é a verdade. Faça aquilo que o seu coração mandar, dizem que o coração sempre tem a resposta para aquilo que nós estamos querendo saber. Pior que se você parar pra pensar, todas as coisas que nos fazem felizes, tornam-se nossa felicidade porque alcança o nosso coração e dá aquele aperto gostoso.

   Agora imagina você todos os dias levantar da sua cama quentinha para fazer algo que é tão gostoso quanto ficar deitado? Levantar todos os dias para sentir aquela sensação gostosa no coração? É aí que está! ESSE é o certo. O certo é você escolher uma profissão que faça você transbordar.

   “Ah, mas como eu faço pra descobrir isso? Não sei qual o meu talento!” Mesmo que você nunca tenha feito, você já imagina e sonha com o que você quer e que vai te fazer transbordar. Então a resposta já está dentro de você. A dica mais importante é parar de tentar se forçar a gostar de matemática caso o melhor para você seja história, por exemplo. Você – e só você – sabe o que te agrada.

   E deixe o dinheiro ser o fator secundário ou até terciário para a escolha da profissão. Ele é a consequência de um trabalho, e quando bem feito, feito de amor, é muito mais fácil duplicar o valor do que você ganharia caso optasse por uma profissão pelo fator financeiro.

   Junte todas as coisas que você gosta, suas manias, o que você não quer de jeito nenhum, e se tiver um talento muito evidente, daqueles que todo mundo sabe que é seu talento, invista. Porque todo talento deve ser investido, porque raramente talentos não dão certo. E caso você ainda esteja na fase de descobrir seu talento – que já está aí – tire a neura que há algo de errado com você. É só olhar para dentro.

%d blogueiros gostam disto: