Dez notas sobre o PT

Bandeira-do-PTO slogan da esperança

Ao se desmascarar um projeto político que, sob o slogan da esperança, prometia instituir a ética na condução do país, multiplica-se a desesperança naqueles que um dia acreditaram que o Partido dos Trabalhadores (PT) realmente encarnava os valores supostamente elevados que propagava. Ainda que haja raros, inocentes e cada vez mais tímidos petistas sinceros ainda crentes nos ideais de Justiça que o partido diz se apoiar, é cada vez mais claro para a sociedade que, no núcleo duro da sigla, tais ideais nunca foram muito além de alegorias de um marketing primoroso.

O partido da inversão

Foi com este marketing eficiente mas vazio que, com belas histórias e muito dinheiro, o PT produziu a corrupção em nome da Ética, a injustiça em nome da Justiça e o desespero em nome da esperança. Golpes duros para a alma dos brasileiros, mas que trazem uma lição que, por ser demasiadamente dura, nos obriga a considerá-la diante da missão de reconstruir o Brasil segundo os altos princípios: por mais sedutores que sejam, não se deve julgar governos e políticos por seus discursos, mas sim por seus atos concretos!

Perdão, Regina Duarte…

Aliás, falando em Justiça, em 2002, na primeira campanha vitoriosa de Lula à presidência da República, a atriz Regina Duarte foi massacrada pela opinião pública ao expor sua preocupação diante da iminente chegada do PT ao Planalto. A frase “Eu tenho medo”, dita à época, se tornou o refrão de um deboche maldoso que muito sofrimento deve ter causado a ela e sua família. Como o tempo se tratou de provar, Regina tinha toda a razão em temer. Merece um pedido de perdão – não apenas meu, já que também estava enganado na época –, mas também de inúmeros outros brasileiros.

A “militância”

Mas, independente se por inocência, idiotice ou mau-caratismo, o fato é que há pessoas que ainda agem em conformidade com as ideologias que movem o PT. Pelas últimas manifestações, a impressão deixada, porém, é que inexiste uma militância natural e espontânea, como já houve no passado. Hoje, a maioria dos que saem às ruas vestidos de vermelho pelo partido o faz por obter algum benefício ou por integrarem instituições de tal forma emaranhadas com a sigla que a queda da mesma representaria inevitavelmente às suas próprias.  

MST

Um desses movimentos associados intimamente com o PT e que, assim como o partido, possui dissonância entre o discurso e função prática real se chama MST. Alguém ainda não percebeu que o grupo armado comete crimes contando com as “vistas grossas” do governo? O assunto fica perigoso quando um ex-presidente da República convoca o “exército do MST” para ocupar as ruas, como Lula fez há pouco tempo.

Guerra Civil

A existência de aliados armados como o MST lutando para não naufragar com o PT representa uma ameaça para a ordem do país, sobretudo nas grandes cidades brasileiras. Cientistas políticos e sociólogos estão receosos com a possibilidade de uma guerra civil no Brasil. Neste caso, uma intervenção militar sairia do campo de uma reivindicação política para se tornar uma necessidade real. Afinal, intervir em situações como esta é uma das funções legais do Exército..

%d blogueiros gostam disto: