Como entender a economia?

Para a maior parte das pessoas a economia parece um bicho de sete cabeças. São tantos os índices, tanto o palavrório, tantos termos desconhecidos do comum dos mortais, que um indivíduo que não tenha o mínimo conhecimento do assunto pode considerar que é uma matéria para “entendidos no assunto”.

O mais interessante da história é que vemos os economistas todos falando “de cadeira”, isto é, mostrando que possuem profundo conhecimento e usando formas de se expressar como letra de médico: parece que não querem ser entendidos.

E, no fundo pode ser exatamente isso: a economia é imprevisível e só vamos conhecer mesmo o problema quando sentimos no bolso, quando a inflação aumenta os preços e mantém os salários no mesmo nível.

Vendo por esse ângulo, fica muito mais fácil e simples entender a economia: ela nada mais é do que a administração dos bens e da falta desses bens. Quando você ganha o suficiente para manter-se e consegue até mesmo guardar um pouco de dinheiro por mês, não vai se preocupar com a economia: ela só vai fazer sentido quando seu nível de vida estiver reduzido, quando precisar trocar um produto mais caro por um mais barato, quando tiver que escolher entre comprar uma roupa ou um item de alimentação e por aí afora.

Chegando a essa conclusão, podemos dizer que o estudo a que a economia se refere é exatamente a falta de recursos, recursos que estão cada vez mais limitados para uma população em constante crescimento no mundo inteiro, recursos que demandam políticas sérias para a correta distribuição, recursos que não podem ser perdidos, já que não temos uma Terra 2.

A economia dos economistas vive traçando projeções sobre os índices econômicos criados, baseando-se em dados como os seguintes:

  • A forma como os preços e quantidades são determinados pela economia de mercado, com a oferta e a demanda;
  • Qual é o valor dos produtos e como são acrescidos à sociedade;
  • De que maneira os impostos e os regulamentos da legislação afetam os valores dos produtos;
  • Porque existe a falta de bens e serviços em diversos países, numa época de globalização;
  • Como as empresas aumentam o seu lucro e sua produtividade para vencer a concorrência;
  • De que forma as empresas correspondem aos incentivos fiscais recebidos;
  • Por que a economia de alguns países cresce mais rapidamente que outras;
  • Quais são os efeitos que a política monetária e fiscal têm sobre a sociedade;
  • Como são determinadas as taxas de juros.

Para que nós, os leigos, possamos entender exatamente o que seja a economia, devemos entender o que nos atende a sobrevivência. E, neste caso, vamos compreender que economia e finanças estão interligadas, mas são campos completamente distintos: enquanto a economia trabalha com o mundo macro, as finanças envolvem o mundo micro, onde estamos vivendo nosso cotidiano, comprando nossos itens de sobrevivência.

Como bem lembrou um sorveteiro em Copacabana, ao ser entrevistado por um repórter, quem entende de economia é quem está sentindo no bolso a situação, não exatamente quem está discutindo índices econômicos.

%d blogueiros gostam disto: