Central multimídia pode distrair motorista por até 40 segundos

Estudo realizado nos EUA informa que tempo de distração é suficiente para percorrer até quatro campos de futebol

access_time

6 out 2017, 20h02

A central multimídia Discover Pro (9,2 polegadas) responde a gestos das mãos

A central multimídia Discover Pro (9,2 polegadas) responde a gestos das mãos (Volkswagen/Divulgação)

Os sistemas de entretenimento facilitam nossa vida no meio da correria diária. Mas as centrais multimídia e navegadores por satélite (os populares GPS) trazem um perigoso inconveniente ao nosso cotidiano.

Um estudo realizado pela AAA (o Automóvel Clube dos Estados Unidos) indica que os motoristas podem se distrair por até 40 segundos enquanto navegam pelos menus da central multimídia do veículo.

Trafegando a 40 km/h, esse tempo é suficiente para o carro percorrer a distância equivalente a quatro campos de futebol.

A atividade foi classificada como mais letal do que digitar mensagens de texto – segunda operação mais perigosa a ser feita enquanto se está dirigindo.

Curiosamente, fazer ligações no modo viva-voz e operar os comandos de som não foram listadas como atividades de alto risco.

Vale ressaltar que o tempo de distração enquanto se opera a central multimídia varia de acordo com o modelo de carro.

Afinal de contas, sistemas com usabilidade mais confusa demandam maior concentração para encontrar as funções. Dois exemplos citados pelos entrevistados foram o Ford Mustang GT e o Tesla Model S. O Toyota Corolla, em contrapartida, requer atenção “moderada”.

Centrais multimídia mais modernas suportam os sistemas operacionais Android Auto e Apple CarPlay (Divulgação/Internet)

De qualquer maneira, seja qual for o nível de atenção necessário para realizar as tarefas, é importante frisar que a atenção ao volante deve ser total para evitar contratempos.

Até porque números divulgados pelo Centro de Controle de Doenças dos EUA indica que 9 pessoas morrem e 1.000 se envolvem todos os anos em acidentes causados por motoristas distraídos.

Créditos: Quatro Rodas